Home www.esab.edu.br
Educação

Estudante cego de SP vai cursar ciência da computação nos EUA

Maurício Almeida, de 18 anos, foi aprovado pela Universidade de Michigan.
Ele abriu uma empresa e traduz jogos na internet para deficientes visuais.

Maurício Almeida, de 18 anos, tem pressa. Nasceu aos 6 meses e foi para a incubadora, onde o ar descolou sua retina. Desde então, percebe apenas contornos e cores. A bengala o ajuda a se locomover. O jovem nunca estudou em escolas especiais, domina o braile, mas hoje o substituiu pelos softwares que leem textos no computador. Aprendeu inglês com jogos na internet, foi professor voluntário e, recentemente, foi aprovado para cursar ciência da computação na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. A estreia do passaporte será em agosto.

Maurício Almeida

Maurício Almeida, de 18 anos, vai para a Universidade de Michigan em agosto (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

O garoto nem chegou a prestar vestibular no Brasil. Concluiu o ensino médio em uma escola americana com sede em São Paulo e nesse período decidiu que queria morar fora do país. Escolheu os Estados Unidos por acreditar que as universidades americanas têm mais estrutura para os deficientes visuais. A formação facilitou o ingresso. Para concorrer à vaga, Maurício não teve de fazer o teste de proficiência em inglês, o Toefl (Test of English as a Foreign Language), mas encarou o Scholastic Assessment Test (SAT, Teste de Avaliação Escolar), uma espécie de “Enem americano”.

O estudante, que mora em São Paulo com o pai consultor, a mãe dona de casa e um irmão mais novo, nunca saiu do Brasil, mas diz estar tranquilo com a mudança para os Estados Unidos. Vai morar no campus da universidade. Não teme bullying, preconceito ou qualquer outro tipo de discriminação por conta da limitação visual. “Não fui criado como um ‘cego coitado’, por isso não sei o que é preconceito. Sempre me considerei normal e nunca fui rejeitado”, diz. Maurício não acredita que a deficiência tenha interferido no processo de seleção da universidade.

‘Saio à noite, tomo uísque’
A deficiência nunca o limitou, e a tecnologia é uma grande aliada. Tanto que em fevereiro criou a própria empresa, que vende hospedagem de sites e rádios na internet. Também coordena a criação de um site que traduz do inglês para português jogos na internet para deficientes visuais que, segundo ele, são o único de entretenimento para este público. O notebook da Apple sempre o acompanha na mochila. Um software lhe permite ler e-mails, livros, acessar sites de notícias e escrever o que quiser. Houve um tempo em que o pai precisava escanear os livros para permitir o uso do software, hoje não mais. Para o celular, usa um aplicativo que reproduz os comandos e o som das teclas. Para provar a habilidade, Maurício digita rapidamente a mensagem ‘isso é um teste’ e encaminha para o celular da reportagem.

Quando questionado se tem uma vida normal de adolescente, Maurício não titubeia. “Claro que sim. Não deixo de fazer nada, saio à noite, tomo uísque, mas não fumo, não gosto de cigarro. Faço minhas farras”, afirma, enquanto devora um saquinho de pão de mel durante a conversa, que ocorreu em um café no Shopping Ibirapuera, em São Paulo. O jovem diz que, se pudesse enxergar, sua vida seria diferente, mas não necessariamente melhor. “A deficiência faz você crescer, talvez se enxergasse não tivesse estímulo. Não iria selecionar meus amigos, por exemplo. Hoje só falo com gente que se gosta, que tem vontade de fazer algo diferente para si mesmo.”

‘A adaptação é minha’
Maurício aprendeu inglês jogando na internet durante a infância. Mais tarde, se tornou professor voluntário na escola americana onde cursou o ensino médio. Lá havia um programa para ensinar filhos de funcionários e familiares de alunos. Nunca estudou em escolas especiais. “Sou contra, acho um atraso porque eu tenho de me adaptar à sociedade, não o contrário. A sociedade tem de me dar estrutura, mas a adaptação é minha.”

Fã de história, política e economia, o futuro estudante de ciências da computação e ‘nerd’, como o próprio se intitula, diz que pretende se formar nos Estados Unidos e, ao término da graduação, voltar para o Brasil, mas sabe que os planos podem mudar. “Hoje gostaria de voltar, mas tenho plena consciência de que isto pode não acontecer e estou aberto.” Um sonho é ver a educação brasileira no padrão da americana para que os jovens não precisem deixar o país para estudar.

A notícia da aprovação da Universidade de Michigan chegou por e-mail em dezembro do ano passado. Para comemorar, Maurício abriu uma garrafa de champanhe e encaminhou o e-mail para o pai. Foi o presente de Natal da família. O custo, que inclui a mensalidade e gastos com alimentação e hospedagem, será de 44 mil dólares por ano (cerca de R$ 90 mil).

Neste mês de julho, Maurício quer “ver gente, se encontrar com amigos e se despedir.” Tem pressa em viajar.

Fonte: Globo.com

comente: